Curitiba Mil Grau
Compartilhar Post
14
nov

Assista “Práxis”, a mensagem pra mente que faz massagem no ouvido

Postado por Tecal
Smile
GOSTOU?
COMPARTILHE NAS REDES!

Bface nos leva pra um curtir um som na praia em seu novo clipe “Práxis” que mistura rap com jazz.

Pra que melhor do que curtir aquele som “smooth” dando um rolê na praia falando sobre tudo e discutindo sobre nada? Essa é a sensação que “Práxis” causou em mim, me senti dando um rolê em São Chico num dia de sol lindo, pensando sobre o mundo mas ao mesmo tempo “unplugged”.

Me amarrei tanto no trampo que troquei uma ideia pelo Facebook com o tio Bifa sobre esse clipe e tudo que está a sua volta e você pode conferir aqui embaixo depois de dar o play no som:

Você já começa a música com “pós doutorado como eterno aprendiz”, fala um pouco sobre o Bface, de onde ele veio, no que ele é pós doutorado e um pouco sobre o que ele aprendeu até o Práxis.
Bface: Bom, Bface nasceu da minha vontade de sonorizar sentimentos, tive aí meus 10 anos de estudos , reprovações tentativas e mudanças de turma até entender que a auto suficiência é a chave pra manter a inspiração viva, por isso Práxis eu me liberto das teorias e me volto pra prática, expressando como eu lido com a situação toda e me liberto da ideia de que devo agradar a todos e me sujeitar a fazer coisas que eu não gosto só pra ter mais visibilidade e aceitação.

“Práxis” tem a ver com um movimento literário vanguardista que propôs uma nova estética poética e é perceptível essa influência nas suas rimas, especialmente nesse trabalho mas em todos os outros também. Fala um pouco sobre as suas influências em geral na arte e referências específicas pra esse trabalho.
Bface: Cara, eu demorei pra dar o nome desse som e o mais louco é que a palavra do título não aparece na rima o que faz ela se tornar um complemento e síntese de tudo que o som aborda, confesso que não conhecia a definição completa da palavra práxis e o movimento literário que utilizava o nome, conhecia a palavra por cima como algo ligado à prática, no sentido “fazer mais e falar menos”. Minha construção lírica sempre parte de um tema e eu uso figuras de linguagem pras pessoas visualizarem o que quero dizer e pra isso uso coisas que estão rodeando minha cabeça a todo momento e geralmente ta rolando um jazz bem caótico na minha mente, filmes, minha infância, sou nostálgico pra caraio e essas coisas acabam refletindo nas letras.

A letra é cheia de referências que vão desde Dizzy Gillespie, um grande trompetista, e vão até Klapaucius que é um cheat de The Sims passando Robert De Niro no filme Táxi Driver. Além dessa referência do cinema, a fotografia do clipe também tem um ar cinematográfico. Como foi o processo de produção desse trabalho? Você colocou tudo isso junto propositalmente, se sim, fale um pouco sobre ou foi apenas um reflexo daquilo que você consome? O que você tem consumido ultimamente?
Bface: O clipe surgiu na minha cabeça quando eu escutei o beat, pow ja me veio aqueles clipes do final dos anos 90 onde os manos ja estavam numa condição financeira mais daóra gravando uns clipes em Miami ostentando a vida boa, o que eu fiz foi trazer isso pra minha realidade haha. Eu escrevi esse som assim que eu fui demitido do meu antigo trampo, eu tinha a primeira parte escrita e a segunda mal definida quando fizemos a viajem pra gravar o clipe eu gravei uma guia la mesmo (tem essas imagens nos créditos finais). Enfim, tudo foi meio que surgindo junto (letra/ideia de clipe) mas o olhar fotográfico é fruto do trabalho do Guilherme Hummelgen. A gente viu umas referencias juntos, ele é amarradão em cinema tbm, eu dei umas ideias mas quem dirigiu essa parte foi ele. Depois eu editei com muita dificuldade haha.

“tudo bem estar longe de olhares, quando fazer o som é um encontro comigo mesmo”

Usar fone de ouvido e celular nesse paraíso que você tava pra mim não fez muito sentido a primeira instância, porém quando eu ouvi o refrão consegui estabelecer uma relação. “Sem crise, na crise” que seria estar num lugar tranquilo, sem crise, mas mesmo assim conectado, na crise. O motivo da escolha da locação foi justamente esse? Ser um morador de cidade grande e trazer essa atmosfera praiana pra gente? Conte um pouco sobre o conceito do clipe e da música.
Bface: A musica é sobre estar de boa, ser fiel a si mesmo e uma pessoa real, mas como são conceitos subjetivos demais estar na praia curtindo um som seria uma forma de sintetizar tudo.
Eu realmente levei meus equipas numa cabana de pescador, abri meu programa da MPC e brinquei de beats ali só pra tirar uma pira mesmo, pra mim isso resume bem a forma que eu lido com meu trampo, tipo tudo bem estar longe de olhares, quando fazer o som é um encontro comigo mesmo. Gravamos na praia do Forte, Baia da Babitonga e Prainha em São Chico. São lugares que eu sempre visitei por minha família ter origem lá, a praia do Forte em específico é o lugar que eu mais amo ir pra fugir do caos.

“todos estão de olho no rap agora precisa o rap olhar mais pros outros estilos também”

Como foi trabalhar com o Dario, que é um deus dos beats e ainda por cima com um instrumentista, no caso o Lucas Ramos que tocou o trompete da música? Você como beatmaker também, acha que a junção de instrumentos orgânicos ou até mesmo virtuais com os samples é um possível diferencial entre o tanto de raps/traps iguais que tá rolando hoje em dia? Qual a sua opinião sobre o cenário de rap local atual?
Bface: Cara sou fã demais dos meus conterrâneos, eu sempre troquei ideia com o Dario e pá mas nunca tive as manha de intimar pra fazer um som e isso acontece com mais vários artistas daqui que eu tenho um relacionamento bom mas eu sou recluso pra caramba e tímido haha. Cara, só sei que valeu a pena o resultado ficou muito massa, ele é um monstro dos beats, tem um conhecimento técnico foda, em poucas horas que a gente ficou no estúdio dele aprendi muito, to curtindo trampar com outros produtores, tenho beats do Café aka DM, Inaki, Praga e J5, todos monstros de CWB.
Eu sempre quis trabalhar com instrumentistas, lá por volta de 2008 ainda no inicio do meu corre lembro de ter chamado um mano que tocava baixo pra tirar nota por nota e eu tenho esse kit de bass até hoje haha. Isso sempre esteve enraizado em mim acredito e agora eu fui as vias de fato, queria muito um instrumento de sopro completando aquele beat do Dario, eu sou fã de jazz e tinha conhecido uma galera foda da Onça Discos, dai dei um salve nos caras e eles me lançaram o whatsapp desse mano Lucas e a gente se conheceu na session no dia de gravar aqui em casa mesmo, o cara é foda demais, faz parte da banda Bananeira Brass Band. Acho que a galera do rap daqui poderia se ligar mais aos músicos de outros estilos pra enriquecer mais musicalmente, todos estão de olho no rap agora precisa o rap olhar mais pros outros estilos também.

Pra finalizar fala um pouco sobre o que vem por aí, o que é a Suite Music e deixa aquele salve pra quem você quiser, dicas de livros, séries, filmes, games, músicas.
Bface: Eu não pretendo fechar o ano sem novos lançamentos, estou trabalhando pra terminar meu EP mas com medo de lançar agora que o pessoal vai começar a beber e ficar louco e recuperar a consciência só em fevereiro. Mas uma coisa é fato, tenho um trampo pra ficar pronto agora e estou munido pra novos releases. A Suite Music esta sendo a minha plataforma de trabalho, junto com o Gui estamos produzindo outros dois artistas que contrataram nosso trampo, este ano lançamos a Castaña. Eu amo produzir os outros então vai rolar bastante trampo onde estarei no background.
Queria dar um salve pra uma galera mas vou destacar as figuras importantes pra tudo que tem acontecido. Rafael “Heche”, Gui Hummelgen, Minha Vó, Minha Irmã, Marcelo “Xaul”, Fantoxi, Guibo, Plasmo e Nairobi. Sem uma dessas pessoas essa entrevista “puff” desapareceria.
Minha indicação é tudo que ta hypado mesmo, é louco que busquem as raízes dessas coisas, hahaha obrigado hip hop por tudo e valew rapeize do Curitiba Mil Grau pelo espaço.

O Bface tem um outro projeto chamado “Bface nos Beats” que nada mais é do que uma série de videos pro YouTube que documentam a produção de beats, também vale a pena conferir:

Para conhecer mais sobre ele acesse: https://www.facebook.com/brunobface

Smile
GOSTOU?
COMPARTILHE NAS REDES!
SIGA-NOS NAS REDES
Curitiba Mil Grau
© Todos os direitos reservados 2015 - Curitiba Mil Grau